segunda-feira, 28 de abril de 2014

Como a Microsoft consegue rodar o Windows Phone 8.1 com 512 MB de RAM

Como a Microsoft consegue rodar o Windows Phone 8.1 com 512 MB de RAM

(Fonte da imagem: Tecmundo/Baixaki)

Alguns celulares Android já vêm até com 3 GB de memória RAM e processadores de quatro núcleos. Todavia, este exagero nas especificações parece não ser importante para o sistema operacional da Microsoft.
Os smartphones estão cada vez mais robustos, com hardwares que se equivalem e, às vezes, até superam as configurações de computadores lançados há alguns anos.
A maior parte dos smartphones que rodam oWindows Phone 8.1 traz apenas 512 MB de memória RAM e processadores modestos. O mais incrível, contudo, é que esses gadgets apresentam desempenho satisfatório.
Com essas diferenças significativas, é comum que muitas pessoas tenham dúvidas sobre quais são as características do sistema da Microsoft que possibilitam os bons resultados em celulares que dificilmente estariam aptos a rodar o software da Google. Para esclarecer essa questão, vamos falar sobre as qualidades que fazem o Windows Phone ser tão leve e eficiente.

Focando no mais simples

Poderíamos responder a essa questão com um simples: “é tudo por conta da programação bem trabalhada do sistema”. Todavia, é claro que isso abriria margem para questionamentos sobre a qualidade de código no software da Google.
Ocorre que os três principais sistemas para celulares são muito bem programados e rodam em aparelhos com configurações modestas de hardware. Felizmente, não é preciso muita pesquisa para saber o que faz o Windows Phone e seus apps rodarem tão bem em qualquer aparelho, seja ele um Lumia 520 ou um Lumia 930.
Como a Microsoft consegue rodar o Windows Phone 8.1 com 512 MB de RAM(Fonte da imagem: Divulgação/Nokia)
A própria Microsoft revelou recentemente que seu produto é voltado desde a concepção para hardwares mais simples. Os desenvolvedores do sistema são obrigados a usar celulares básicos (tanto nos testes quanto no dia a dia) para se esforçarem a criar um sistema que funcione perfeitamente em qualquer situação e aparelho.
A dona do sistema comenta que é mais fácil criar algo funcional para produtos mais simples e depois levar o software para os smartphones mais robustos, pois dessa forma é mais fácil do que tentar o caminho inverso (tentando transportar um sistema cheio de entulhos para celulares que não têm tantas capacidades).
Além disso, a Microsoft também informou que ela sempre priorizou a experiência satisfatória acima de tudo, sendo que é preciso pensar nos usuários que possuem gadgets mais simples, visto que eles fazem parte do todo e vão buscar um software que seja rápido e agradável.

Poucos efeitos, bons resultados

É claro que a eficiência do Windows Phone 8 (e do 8.1) está relacionada diretamente aos recursos que o sistema oferece e utiliza. Além de ser um sistema projetado para poupar recursos e se adaptar ao hardware com que trabalha, o software da Microsoft é feito para funcionar bem ser ter muitos efeitos visuais.
O resultado é notável no design geral do produto. De fato, o Windows Phone não tem tantos filtros e retoques na aparência, oferecendo uma experiência simples e agradável. As próprias tiles são bem cruas, com ícones simplificados e poucas cores.
Como a Microsoft consegue rodar o Windows Phone 8.1 com 512 MB de RAM(Fonte da imagem: Divulgação/Nokia)
Não vamos nem entrar no mérito de bonito ou feio, pois isso depende de quem está opinando. A verdade é que o WP8 tem um visual moderno que economiza recursos. Ele tem identidade própria e puxa para os traços de design que são usados no sistema de computador.
Com poucas cores, animações, efeitos de transparência e elementos simples, o sistema consegue economizar memória RAM e poupar o processador. Os widgets focados na funcionalidade também ajudam nesse sentido. Os apps que puxam para o visual-padrão do Windows Phone são ideais para garantir o alto desempenho acima de tudo.
Além de tudo isso, ainda temos que pensar na questão dos recursos que são usados em segundo plano. O Windows Phone não é programado para manter muitas inutilidades em execução quando não há necessidade. Dessa forma, o software consegue focar naquilo que o usuário está utilizando e evitar desperdício de performance. Bom para o usuário, que ganha na experiência e no tempo de bateria.

Apps e jogos compatíveis

Vale ressaltar que mesmo com os mais recentes lançamentos da Nokia, a Microsoft não estragou o sistema com recursos inúteis pensando exclusivamente nos gadgets que vêm com 1 ou 2 GB de memória RAM. Talvez, essa capacidade de focar sempre no consumidor (que em sua maioria tem aparelhos simples) é o que está fazendo o sistema ganhar tantos adeptos.
O melhor de tudo é saber que mesmo ao usar diversos apps e rodar muitos games, o sistema não exige um aparelho robusto. De acordo com as estatísticas publicadas no site All About Windows Phone, 99,6% são compatíveis com smartphones que trazem 512 MB de memória RAM.
Aliás, mesmo que você tenha um celular com apenas 256 MB de memória RAM, pode ter a certeza de que a grande maioria dos apps e jogos ainda vai funcionar. As estatísticas mostram que 98,4% dos programas rodam nesses aparelhos.
Claro, quando tratamos de jogos mais recentes como O Espetacular Homem-Aranha, FIFA 13, N.O.V.A. 3, Tiger Woods 12 e Mass Effect: Infiltrator não são compatíveis com esses aparelhos modestos, visto que as desenvolvedoras restringem a execução aos produtos mais robustos para garantir melhores gráficos.

Adicionando recursos sem perder no desempenho

Mesmo com a atualização mais recente do sistema, a Microsoft não precisou alterar os requerimentos de hardware, garantindo que todo mundo possa aproveitar suas novidades — todos os aparelhos com o WP8 são compatíveis com a nova versão. O Windows Phone 8.1 traz assistente de voz, centro de notificações, personalização da tela inicial e outras melhorias, o sistema não ficou tão pesado e pode oferecer uma ótima experiência.
Como a Microsoft consegue rodar o Windows Phone 8.1 com 512 MB de RAM(Fonte da imagem: Divulgação/Windows Phone)
As novidades do sistema causam algum impacto no desempenho, mas tudo foi pensando para poupar recursos e manter o usuário com as atualizações mais recentes. Com isso, a Microsoft provou que está brigando sério e que pretende roubar uma boa fatia de usuários da Google e da Apple.
Não temos como prever o futuro do sistema, mas é provável que a desenvolvedora mantenha o foco nos dispositivos mais simples. Você usa o Windows Phone 8.1? Está satisfeito?
Postar um comentário