quinta-feira, 24 de abril de 2014

Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo]


Quando a Microsoft lançou os primeiros smartphones com o Windows Phone 7, o mercado estava dominado por aparelhos com Android e iOS. Apesar de mostrar várias qualidades, o sistema operacional ainda estava dando os seus primeiros passos de um longo caminho que viria a percorrer para conseguir competir com seus adversários.
Tempo depois, foi anunciada uma nova versão do sistema operacional: o Windows Phone 8, que apresentava algumas mudanças em seu kernel. Apesar de ter uma performance mais robusta por parte da Microsoft, o SO ainda trazia muitas semelhanças com a sua versão anterior, além de ainda mostrar algumas lacunas quando o assunto eram as funções de outros sistemas operacionais.
Com a chegada do Windows Phone 8.1, a impressão é de que a Microsoft finalmente se sentiu à vontade para entrar de vez na batalha dos sistemas operacionais móveis, apresentando uma versão que consegue satisfazer em praticamente todas as instâncias, mesmo quando comparada com seus grandes adversários, Android e iOS.
Nós, do Tecmundo, tivemos acesso à versão liberada através do plano Preview for Developers, que disponibiliza a atualização antes do público para testar as novidades em seus novos aplicativos. Agora, chegou a hora de esmiuçar as novidades, vantagens e desvantagens o Windows Phone 8.1.

Cortana: a assistente digital que você precisava

Desde o seu anúncio, o Windows Phone 8.1 mostrou algumas funções que chamaram a atenção de muita gente, mas foi com a resposta da Microsoft à Siri que todo pararam para olhar para o sistema operacional.
Cortana, nome da personagem de inteligência artificial da série Halo, foi concebida como uma mistura da Siri, assistente encontrada no iOS, e do Google Now, serviço similar disponibilizado para aparelhos com Android. Ela ajudaria com buscas, direções, sugestões e funções dentro do sistema, tudo através de comandos de voz ou, se você preferir, por texto.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo](Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)
O título Cortana surgiu apenas em versões de teste da função, mas, assim que chegou à internet, era inegável o apelo que o nome tinha. Na versão disponibilizada ao público, que vale mencionar que ainda está em sua fase Beta, a atriz Jen Taylor, responsável pela voz da personagem na franquia de tiro da Microsoft, dublou a Cortana com quem você pode conversar no celular.
No momento, a Cortana do Windows Phone opera apenas com comandos de voz e texto enviados em inglês, o que pode afastar um pouco o público que não domina a língua, pelo menos até a Microsoft começar a localizar o serviço em outros idiomas.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo]A maneira "Cortana" de entender "Go to Baixaki" (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)
Mesmo assim, é inegável que a Microsoft fez um trabalho primoroso com a Cortana. Mesmo em fase Beta, o serviço consegue apresentar praticamente tudo o que você precisa, e graças à maneira como ela interage com o usuário.
Em vez de ser como o Google Now, que pega as suas buscas e informações compartilhadas e mostra o que acha interessante para você, a Cortana pergunta se aquilo é do seu interesse e se você quer aquela informação disponibilizada por ela.
Isso pode parecer bobo, mas faz uma grande diferença. Tendo compatibilidade com praticamente todos os serviços de mensagens disponíveis, a Cortana consegue identificar emails de companhias aéreas e apresentar dados sobre voos e locais para onde você deve viajar.
O reconhecimento de voz do serviço também é impressionante. Mesmo testado com alguém que não tem inglês como língua nativa, o sistema consegue identificar com clareza até mesmo as palavras mais complexas do idioma, desde que sejam ditas de maneira compreensível, até mesmo com sotaque.
Durante os nossos testes, a única função dentro da Cortana que deixou a desejar foi a sua integração com os apps de mapas do Windows Phone. Talvez por estar programada apenas para o público americano, ela não consegue identificar locais ou endereços brasileiros com muita assertividade. Nada que a sua chegada a um número maior de usuários não resolva.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo](Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)
Assim como já era esperado, é possível abrir aplicativos com comandos de voz. É interessante ver o quão fácil é você poder falar “Play Breaking Benjamin (banda norte americana)” e a Cortana fazer a varredura por músicas do grupo na biblioteca e tocar apenas as melodias deles. O mesmo pode ser feito com músicas específicas, sendo que, durante os testes, o aplicativo não errou uma vez sequer.
Com algum tempo utilizando a Cortana, é possível afirmar que ela é a função mais chamativa do Windows Phone 8.1, talvez aquela que consiga atrair mais consumidores para a plataforma.
Sim, ela ainda pode ser considerada “a resposta da Microsoft à Siri”, mas, ao integrar um pouco da assistente do iOS e do Google Now, do Android, a Cortana, mesmo em sua versão Beta, consegue competir de igual para igual com suas concorrentes.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo](Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)
E é válido mencionar que a Microsoft recheou o aplicativo com easter eggs, tornando o seu uso bem divertido. Quem nunca quis pedir para sua assistente digital contar uma piada ou cantar e receber uma resposta satisfatória em seguida? Ninguém? Somente eu mesmo?

Finalmente o sistema ganha um centro de notificações

Um dos pontos mais solicitados pelos usuários do Windows Phone foi uma melhoria no seu sistema de notificações. Existindo uma parte especial apenas para elas resolveria muitos dos problemas apresentados nas versões anteriores do SO.
Agora, a Microsoft atendeu aos pedidos dos seus usuários e introduziu o Action Center. Similar ao centro de notificações do Android e iOS, todos os avisos enviados pelos aplicativos instalados no seu aparelho são reunidos ali, facilitando muito a vida dos donos de Windows Phone.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo](Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)
Uma coisa que foi notada durante os testes do WP 8.1 é que as próprias notificações parecem estar mais em sincronia do que nunca. Antes, você demorava alguns minutos para, por exemplo, receber uma mensagem vinda do WhatsApp. Agora, ela chega quase que no mesmo momento em que foi enviada, desde que você tenha uma conexão ativa com a internet.
Além das notificações, o Action Center também apresenta alguns atalhos para você desligar a conexão WiFi, ativar o Bluetooth, tentar parear o aparelho via Miracast (uma das funções presentes na nova versão do Windows Phone), entre outros. Tudo pode ser configurado nos ajustes do aparelho, que também receberam algumas atualizações.

Uma tela realmente personalizada

Desde o Windows Phone 7, um dos pontos que sempre chamaram a atenção no sistema operacional da Microsoft era a sua tela inicial. Ao contrário de outros SO, você não tinha uma tela com uma imagem de fundo e ícones de aplicativos espalhados por ela.
Contava-se sempre com quadrados, chamados de Tiles, que correspondiam a cada um dos apps marcados na tela inicial. Com a chegada do Windows Phone 7.8, e depois evoluindo um pouco mais no WP8, esses tiles ganharam novas dimensões e a capacidade de apresentar mais informações de cada aplicativo, se tornando “Live Tiles”.
Só que ainda faltava uma coisa. Muitos usuários do Windows Phone ainda sentiam falta de colocar uma imagem legal na tela inicial e deixá-la de fundo para os apps. Com a versão 8.1, isso se torna possível.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo](Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)
Você pode colocar a imagem que quiser de fundo de tela, sendo que a maioria dos aplicativos se adapta ao papel de parede. O único problema é que muitos deles não se tornam transparentes, deixando pontos do wallpaper cobertos por um quadrado azul ou verde, como você pode ver abaixo.
Outra novidade é relacionada ao número de tiles que você pode ter na sua tela. No Windows Phone 8, quando o aparelho contava com uma tela maior, acima de seis polegadas, era possível diminuir ainda mais os blocos, criando várias possibilidades de organização.
Essa função não era disponibilizada para smartphones com telas menores por uma questão de usabilidade. Os tiles ficavam muito pequenos e difíceis de serem acessados. Mesmo assim, muitos usuários solicitaram que até mesmo esses aparelhos contassem com a possibilidade de ícones menores.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo](Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)
A Microsoft resolveu atender aos pedidos e, mesmo em telas menores, você pode agrupar um número maior de Tiles na sua homescreen.
Só que muitos dos trunfos do Windows Phone 8.1 estão nas melhorias de funções já presentes no sistema operacional.

Mais do mesmo, mas melhor

Se você perguntar para um usuário de Windows Phone o que, fora as funções mencionadas acima, faltava para deixar o sistema melhor, provavelmente receberá uma resposta parecida com “não precisa mudar muita coisa, só aparar as pontas do que já existe”.
Parece que a Microsoft pensou da mesma maneira, mantendo muito do que já estava funcionando bem na última versão do sistema operacional, mas dando uma leve melhorada em alguns pontos. Na maioria dos casos, a empresa foi bem-sucedida. Em outro em particular, nem tanto.

Gerenciador de dados, armazenamento e bateria

O Windows Phone 8 já trabalhava com um bom sistema de gerenciamento de plano de dados, bateria e armazenamento, mas essas funções estão mais claras na nova versão do sistema.
O armazenamento do plano de dados é bem similar ao do WP8, mas traz uma novidade interessante: a chance de o sistema conseguir economizar banda de internet quando seu plano está chegando ao fim. Caso você tenha internet limitada no seu smartphone, ao configurar quantos dias você ainda tem dentro do plano, notando que sua franquia terminará antes do prazo, ele tenta desativar o maior número possível de funções que consumam internet do seu aparelho. Dessa maneira, ele tenta esticar um pouco os seus dados até o fim do período.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo]Gerenciador de dados (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)
Já o gerenciador de bateria traz como novidade um gráfico que mostra quais aplicativos estão consumindo mais energia do seu smartphone. Graças a ele, conseguimos notar que, ao deixar a Cortana sempre ativada, a bateria era drenada rapidamente. Com a ferramenta, ficou mais fácil saber o que consome mais energia e estudar uma maneira de prevenir que seu Windows Phone acabe o deixando na mão no momento que você mais precisa.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo]Gerenciador de bateria (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)
A terceira ferramenta de gerenciamento traz uma novidade que deve agradar a muitos usuários. Em praticamente todos os sistemas operacionais móveis, você tem um espaço na memória do aparelho para armazenar aplicativos, fotos e músicas, enquanto os modelos compatíveis com cartões de memória permitem apenas o armazenamento de arquivos de mídia.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo](Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)Nesses casos, você pode acabar ficando sem memória do aparelho para instalar um aplicativo, e ter um cartão de memória com vários GBs disponíveis sem poder usá-lo para esse fim. Existem soluções para o Android nesse caso, mas é necessário rootear o aparelho e realizar alguns processos que nem sempre dão certo.
Com o Windows Phone 8.1, tudo é disponibilizado pelo próprio sistema. Dentro da ferramenta de armazenamento do sistema, você pode escolher onde seus arquivos serão guardados. Quer que todos os aplicativos que serão baixados fiquem instalados no cartão de memória? Sem problemas, basta mudar o endereço dentro da ferramenta. O mesmo vale para músicas, fotos, vídeos e arquivos baixados in-app. Sem complicação, tudo apresentado de maneira direta pelo SO.

Um teclado bem melhor de usar

Apesar de o teclado do Windows Phone ser razoavelmente bom, existem algumas coisas que poderiam ser melhoradas nele, como uma função parecida ao Swipe do Android. Isso foi incluído na nova versão do SO na forma do Word Flow.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo](Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)
Você passa o dedo pelas letras, que logo são identificadas como a palavra que você gostaria de escrever. Caso o teclado não consiga trazer a palavra que você deseja, basta digitá-la e usá-la algumas vezes em seus textos e conversas. Dessa forma, o sistema aprende o termo e confirma que você realmente o utiliza com frequência, incluindo-o ao seu dicionário.

Dissociação do HUB social

Uma das grandes sacadas do Windows Phone foi trazer várias redes sociais em um só lugar e integrá-las ao sistema. Dessa forma, todos os seus contatos do Facebook eram colocados lado a lado com mensagens do Twitter, unificadas com números e contas do Skype e assim em diante.
Talvez buscando uma forma de inspirar que desenvolvedores criem mais aplicativos para a plataforma, esse HUB ainda existe, mas não funciona da mesma maneira que antes.
Um exemplo disso é o envio de mensagens pelo sistema. Anteriormente, era possível enviar uma mensagem que era postada em todas as plataformas cadastradas no sistema operacional. Agora, ao tentar postar uma atualização, você é enviado para o aplicativo da rede social.
Isso não chega a ser um problema, mas tira um pouco daquela sensação de que o SO conseguia fazer algo melhor que os seus concorrentes.

App de música+vídeo foram separados

Assim como aconteceu com o HUB social, o aplicativo de música e vídeo do Windows Phone foi separado. Os apps Xbox Music e Xbox Video já estavam disponíveis na loja da Microsoft, mas agora fazem parte do sistema operacional.
O aplicativo de vídeo, além de servir como player, também possibilita a compra de séries e filmes através do serviço Xbox Video. Uma enorme vantagem do novo app é a possibilidade da inclusão de legendas nos vídeos armazenados no seu aparelho.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo](Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)
A maneira como as legendas são incluídas ainda é um pouco nebulosa, mas existe a opção para ativá-las dentro do aplicativo, o que é um grande avanço.
Já o app de música do Windows Phone 8.1 é um dos seus pontos mais fracos. Isso acontece pelo fato de os arquivos do seu celular sempre precisarem ser atualizados quando se entra no aplicativo, o que já consome alguns segundos. Em seguida, para criar uma playlist sequer, é necessário passar por uma verdadeira epopeia.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo](Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)
Há algum tempo a Microsoft parece não se importar muito com sua experiência musical em smartphones, mesmo apresentando um serviço como o Xbox Music. Joe Belfiore, líder da equipe de desenvolvimento do Windows Phone já revelou que o aplicativo de música deve ganhar uma atualização em breve, o que deixa os usuários um pouco mais tranquilos, mas seria interessante um cuidado maior com o programa, mais ou menos como acontecia na época do saudoso Zune.

Experiência de uso

Esse é o trecho em que eu coloco a minha experiência com o Windows Phone para exemplificar o crescimento do sistema. Iniciei com o SO ainda na versão 7, recém-atualizada para 7.5.
Antigo usuário do Android, eu me assustei um pouco no início, mas logo me acostumei com o esquema de Tiles e todas as funções do sistema. Eu conseguia notar ótimas ideias no SO, mas também constatava que existiam umas lacunas gigantescas em relação ao Android e iOS.
Quando foi anunciado que meu aparelho não seria atualizado para o Windows Phone 8, apesar de me sentir chateado, tinha gostado o suficiente do sistema a ponto de investir, pouco tempo depois, em um aparelho com o SO.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo](Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)
Mesmo notando que muitas das boas ideias do WP7 estavam sendo colocadas em prática, as lacunas em relação aos outros SOs ainda existiam, com funções básicas que não foram incluídas pela Microsoft na atualização. A falta de aplicativos importantes também não colaborava muito.
Só que, com a chegada dos tais “killer apps” e do anúncio de que todos os aparelhos com o WP8 seriam atualizados para o 8.1, parecia que a Microsoft estava realmente se posicionando para uma briga mais justa com o Android e o iOS.
Com a nova atualização, a sensação que fica é que não é o mesmo aparelho de antes. Todas as lacunas, as funções que faltavam e que tornavam o sistema operacional X ou Y melhor que o Windows Phone, praticamente desapareceram.
Análise: testamos o Windows Phone 8.1 [vídeo](Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)
O sistema roda com um desempenho impecável tanto em aparelhos mais robustos, como Nokia Lumia 1020, como em outros de médio porte, como o Lumia 620. Em momento algum, a performance dos aparelhos foi prejudicada com a atualização, que apenas melhorou a usabilidade dos smartphones.
Apesar de tudo, ainda existem pontos que podem ser melhorados, como acontece com todos os sistemas operacionais disponíveis na atualidade. Só que, com alguns dias utilizando o Windows Phone 8.1, a impressão que fica é que agora sim a Microsoft entrou no campo de batalha, podendo querer lutar de igual com Google e Apple no mercado de smartphones.
Isso sem levar em consideração que futuras atualizações do sistema, que já foram mencionadas pela empresa, e devem possibilitar que aplicativos e funções sejam compartilhados em todas as plataformas possíveis (Xbox One, tablets, smartphones e PCs).
Se o Windows Phone 8.1 serve para alguma coisa, é para provar que a Microsoft tem um produto forte em mãos, que entrega aos seus usuários tudo aquilo que eles pediam há tempos e mais um pouco.
Postar um comentário